Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias da Alma

A vida é apenas uma passagem, e os momentos vividos, sejam bons ou maus, são necessários para o nosso crescimento, mas se deixarmos que seja o AMOR a guiar sempre as nossas atitudes, pensamentos e vontades, a Alma viverá FELIZ

Histórias da Alma

A vida é apenas uma passagem, e os momentos vividos, sejam bons ou maus, são necessários para o nosso crescimento, mas se deixarmos que seja o AMOR a guiar sempre as nossas atitudes, pensamentos e vontades, a Alma viverá FELIZ

Sex | 27.07.18

De volta.. Mas só por hoje!

Maria Grace

Galinha

 

       Có-có-ró-có-có - diz a galinha ao cão

       Au- Au-Au-Au-Au - responde o cão à galinha

       És tu o meu melhor amigão?

       Claro que sim, senão tinha escolhido uma cabrinha! 

 

        O que estou eu a escrever....

        Só sei que nada sei...

        Às vezes não consigo me entender....

        Acho que foi mesmo desta que pirei...

       

        A vida não são apenas tristezas e amarguras...

        Vamos dar por hoje, um pontapé nos estados depressivos...

        E ouvir o que têm para dizer, todas as nossas loucuras...

        Vamos lá começar a ser mais assertivos...

 

       

        O cão não larga a galinha...

        Nunca a perde de vista...

        Mesmo quando se ausenta, para ir à casinha..

        Carrega sempre consigo a sua psicanalista... 

 

         Amigos...Eu é que estou a precisar de um analista..

         Para poder avaliar estes meus poemas...

         E já estou a imaginar o seu parecer: 

         "Minha senhora, estou a detectar aqui um retrocesso..."

         ( UAUUUUUU!!!!!! Não!!!! Tu...Tu...Tu és Bom!!!)  Tu és Bom...

          Minha Nossa! Diga-me Doutor.. Terei algo a temer?

          Ou poderei pensar a longo prazo, num possível progresso? 

 

 

         Tenho 42, mas de vez em quando sabe bem regressar à adolescência...

         E com as palavras e imagens brincar...

         Dar azos à minha completa demência...

         Sem com os juizos de valor de outros, me preocupar.... 

         

                         Autora: Maria Grace, candidata a heterónima de Fernando Pessoa 

                                                        

              P.S. Só candidata apenas. O pedido ainda está em estudo.

 

        

Galinha

 

     

      

Qua | 25.07.18

Um Sonho Americano...

Maria Grace

Texas

       Sempre tive uma paixão enorme pelo Texas, mais própriamente pela cidade de Nevada. 

   Não, não é pela Área 51 e por todo o mistério que a envolve. É mesmo pelo chão, pelas casas, pelo campo. Pela Paz que aí se deve sentir. 

  Acredito que terei vivido aqui, em outra vida, desconheço porém se terá sido a anterior, ou numa mais distante.

   Daí esta minha ligação tão profunda a  um local, por mim nunca visitado.

 

Texas

 

      Desde que me conheço, que adoro a América. Se fosse mais jovem talvez dissesse que seria pelas celebridades, pelas oportunidades, pelos filmes, e tantos outros motivos cor de rosa. Mas neste momento da minha vida, tenho consciência da realidade americana. Da criminalidade que existe, da pobreza extrema, da violência, da maldade, das catástrofes naturais regulares em alguns estados,  e tantos outros aspectos negativos que caracterizam os EUA. 

   Claro que, sou portuguesa e amo o meu país, mas se me dissessem, há uns anos atrás "Queres vir estudar para a América, e quem sabe começar a tua vida lá?", acho que nem esperava que mo perguntassem segunda vez. 

Texas

 

      O que mais me atrai no Texas? Acreditem ou não.... As estradas sem fim... O mistério que corre nas veias daqueles asfaltos, que nos levam a algum lado, e muitas vezes a lado nenhum. O olhar para os lados, e não ver nada...

    Mas se insistirmos, olhando fixamente, avistamos muito ao longe uma casa, um celeiro, uma carrinha. Afinal há vida aqui! 

Texas

 

    Se querem saber, muitas vezes não sei porque escrevo estes textos, sobre locais que nunca visitei, sonhos que nunca realizei, mas ao fazê-lo, sinto-me mais próxima destes sítios, destas pessoas e das suas histórias, desta Paz tanto procurada. 

 

Texas

 

  Em conversação com amigos, alguns chegaram já a dizer-me:

   -  A América não é um sonho... Ias ficar bastante desapontada! 

  Talvez sim...Talvez não... 

  Sei que em Portugal existem inumeros lugares, igualmente belos, que nos podem proporcionar essa mesma paz. E enquanto não surgir uma oportunidade para ir ao Texas, resolvi conhecer primeiro o meu país.  

 

 

Qui | 19.07.18

Aiiiiii!!!! Um Ratoooooooo!!!!

Maria Grace

 

 

Humster

 

   A míuda cá de casa, que até já nem é pequena, está sempre a inventar. Como se não bastasse ter já um cão, que no meu caso é mais um cãozarrão, pois é um Pastor Alemão, quer agora adquirir um "Rato".

  - Não é um Rato, é um Hamster - diz a garota indignada. 

 Para mim é um rato, venha quem vier. As minhas desculpas, a quem baptizou estes pequenos roedores com tal nome, mas é um RATO!

 

Humster

 

  Não sei se vou habituar-me à ideia, de ter um roedor cá em casa. 

  E se ele foge da gaiola?

  E se ele morde no cão?

  E se ele morde-nos a nós?

  Caramba...Tantos animais...E tinha de querer um rato!!!!

 

  Ainda não entrou para a família, mas já existe uma gaiola, com todos os acessórios necessários, brinquedos comprados e feitos, que mais parece um parque de diversões.

  - Mas o rato vai passar o dia a brincar? - perguntei eu, intrigada, com uma bola, umas escadas, um baloiço...

- Não, mas tem de fazer exercício físico - responde a filha à mãe.

- Então e como se vai chamar? - continuei eu, curiosa com o nome com que o rato iria ser baptizado.

- Não sei ainda...

- E se lhe chamasses Pussy? - sugeri eu, pois acho um nome engraçado para um ratinho. 

 

- É QUE NEM PENSAR! - grita a míuda horrorizada. - Já pensou o que iriam dizer, quando colocasse no Facebook uma foto nossa a dizer "Eu e a minha Pussy"!

 

 Por esta é que não esperava!

  E ainda dizem que a língua portuguesa é traiçoeira!!!!  

 

 

 

  

Qua | 18.07.18

Ai! Meu Amor...

Maria Grace

Ai Meu Amor

 

 

Ai meu Amor...

Senta-te junto a mim...

Olha-me nos olhos, e serena a minha alma...

Porque só tu o podes fazer...

E explica-me a razão, para me ferires tanto assim..

 

O que te faz continuar a procurar outra mulher...

Quando um dia me prometeste, que nunca o farias...

O que não te dou eu, que te leva para junto dela...

Gostava que me pudesses responder... 

Sem mentiras...

Sem desculpas...

Apenas para poder entender...

 

Ai meu Amor...

Se achas que o nosso Amor ainda vale a pena... 

Certamente responderás com a Verdade.

Ou não... 

Mas pensa que a tua infidelidade, é para mim uma enorme crueldade...

 

Ai! Meu Amor!

Na minha mente em luto, só consigo questionar...

Porque insistes em encontrar em outra mulher, o que te posso eu oferecer...

Se ao meu lado desejares continuar a lutar...

Como consegues com ela falar, estar, sabendo que me estás a magoar.

Para ti não existe o remorso? 

Esqueceste já, todos estes anos comigo passados?

 

Porque não lhe dizes:

" Acabou. A minha familia é o meu Pilar..

Amo a minha mulher, com quem partilho um destino há anos..

Que não quero abandonar, por uma aventura sem razão de ser.

E porque não tenho o direito de a fazer sofrer". 

 

Ai Meu Amor

 

Ai meu Amor...

Farás tu a pequena ideia, de quanto me matas, todos os dias, um pouco?

Com a tortura, criada pela insegurança. 

Com o desgosto por saber, que estás com outra mulher.

Eras a ultima pessoa, que esperava que me magoasse assim.

Respirar  é um tormento profundo, que não vê um Fim...

 

Todos os dias uma facada no meu coração,

que sangra já, deitado no chão. 

E tu achas que não fazes nada de mal. 

Mas viverás tu, no Real? 

 

Por momentos, põe te no lugar do outro...E sente. 

Diz me! O que te vai na alma? Qual a sensação? 

Doi?

Tens uma vontade enorme de morrer?

E uma enorme vontade de matar?

Também? 

Sim? Não? 

 

Ai! Meu Amor!

Terás esquecido a promessa que me fizeste?

 

. “...prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.”

 

Ai Meu Amor

 

Terás tu esquecido o nosso primeiro encontro?

Terás tu esquecido a primeira vez, que me disseste Amo-te?

Terás tu esquecido o nascimento da nossa criança?

Terás tu esquecido quando a adormecíamos juntos?

Terás tu esquecido as lágrimas que tantas vezes cairam dos meus olhos, quando em trabalho te ausentavas?

 

Ai Meu Amor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ai meu Amor!  Imploro te...

Mata, se assim desejares, este amor..

Para acabares de vez, com esta imensa dor...

           

    Longe de querer parecer um poema do nosso Fernando Pessoa, que muito aprecio, mas escrito com um imenso Amor que tenho à escrita, às letras, e às palavras. 

 

  Autoria: Maria Grace 

Seg | 16.07.18

SURPRESA!!!

Maria Grace

 

Surpresa

 

   O seu humano é realmente uma caixinha de surpresas. Está sempre a revelar-se. Umas vezes positivamente, outras nem por isso. Daí os desentendimentos entre amigos, os conflitos familiares, os divórcios não amigáveis, e em último caso, homícidios passionais. Mas não vou alongar-me neste último tema, pois não é a minha área...Graças a Deus! 

 

   Como se costuma dizer "Quem vê caras, não vê corações", e para mim tem sido a frase com mais sentido, que me vem à cabeça contínuamente, nestes últimos tempos. Porque razão as pessoas não podem simplesmente ser verdadeiras, mesmo sabendo, que a sua sinceridade vai magoar o outro. Qual o prazer em ferir a outra pessoa, com as suas atitudes. Com os seus sarcasmos.  Com as suas mentiras. 

 

Surpresa

 

    E quando confrontadas, limitam-se a proferir meia dúzia de palavras, sem sentido, desprovidas de qualquer valor. Apenas para dizerem, que disseram alguma coisa.

    Para não serem acusadas de ter ficado em silêncio...

    Pois também conhecem a frase " Quem cala consente".

    E como não querem consetir, continuam a mentir...

 

Surpresa

 

   Será que não conseguem entender que a pessoa que enganam, fica tão magoada, como se fosse mutilada, principalmente se for alguém, por quem até dava a própria vida! 

 A dor é tanta que parece que a sua alma começa a afundar-se aos poucos, sem se aperceber, até submergir por completo.

 

       E nem querem saber...

      E nem querem ver...

      E continuam, até o outro acabar por padecer. ..

 

Surpresa

 

 

As Palavras cortam, não só o coração a alma
As palavras são capazes de decidir a vida de uma pessoa 
As palavras são capazes de mudar uma pessoa
As palavras . . . 
As palavras machucam 
As palavras nos tornam invisíveis
As palavras acabam nos matando....

Eduardo Raone

 

   

Sex | 13.07.18

Sou qualquer coisa que Fui...

Maria Grace

Tédio

 

 

“Chegou até mim o cansaço dos sonhos…

Tive ao senti-lo uma sensação externa e falsa, como a de ter chegado ao término de uma estrada infinita.

Transbordei de mim não sei para onde, e aí fiquei estagnado e inútil.

Sou qualquer coisa que fui.

Não me encontro onde me sinto e se me procuro, não sei quem é que me procura. Um tédio a tudo amolece-me.”

 

Fernando Pessoa, citação do livro “Livro do Desassossego”. Companhia das Letras, 2012, p. 233.

 

 

Sex | 13.07.18

Marés Existenciais

Maria Grace

 

 

Maré

 

    Como já referi num post anterior, Escrever para Não Esquecer..., a nossa essência é mais ou menos como as ondas da maré. Sete fases excelentes, para sete deprimentes. E eu, devo andar a boiar possivelmente na quarta onda, a passar para a quinta. 

  Infelizmente, tendo a apoiar-me no negativismo, ao invés de seguir o positivismo.

   E acreditem, é uma luta diária entre o Anjo e o Diabo que habitam em mim.

    Entre o saber que a felicidade existe, o bem estar, o estar bem, e um desejo imensurável, de procurar refugio na solidão. 

  De me esconder da vida.

Maré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

          Nunca fui uma pessoa de me expôr, de falar sobre as minhas fraquezas, mas por vezes sabe bem à alma. Meditar sobre os contratempos existenciais, que moram no nosso ser. E tentar entender a razão de continuarmos a insistir numa forma de estar, que sabemos que nos faz mal. Que lentamente, nos suga para um abismo sem fim. 

   Muitas vezes dou comigo a observar as pessoas que me rodeiam, e penso: " São tão felizes... A vida sorri-lhe... São amadas... Estão em perfeita sintonia com o Universo..". Esqueço-me porém, que existem capas, que muitas vezes ajudam a disfarçar, a esconder um possível sofrimento, que acompanha a alma.  

Maré

 

     

    Tenho a perfeita noção da solução, para as crises que, de tempos a tempos me atacam. E não é fugir. Essa, sem dúvida, não será a forma mais correta, estaremos apenas a camuflar a nossa dor. A abafar a razão da nossa ângustia.

     As 50 Fugas de Grace. Tomara ter a força necessária para transformá-las nas 50 Mudanças de Grace.

    Tantos erros que não cometeria. Tantos remorsos que não teria de estar a sentir. 

     Eu não busco protagonismo, mas sim entendimento.

   A raiva que de mim sinto, consome-me de dia para dia. Uma frustração por não conseguir um equilibrio entre o emocional e o racional. Permitir que os factores externos me influenciem de tal forma, ao ponto do meu cerebro ficar em coma... Sem conseguir falar, escrever. Vivendo apáticamente, como se tivesse sido transformada num robot  humano.

   E vou esperando... esperando... Que passe.

   Que deixe de doer. Para deixar de me esconder. 

   Todos carregamos as nossas vivências, as nossas histórias. Algumas semelhantes, outras muito distantes.

   Quando passo a vista pelos posts de variados blogs, pelas várias páginas do facebook, apenas encontro aquelas frases cliché " Seja Feliz"... " Mude de Vida"... "Acredite na sua Força".... 


Maré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

               

 

   Mas o que fazer quando há falta de esperança. Quando nem umas semanas de férias nos animam. Quando nem estar perto de quem amamos nos consola. Quando já nos ouvimos dizer " Estou cansada de respirar". E de repente temos dezenas de olhos postos em nós, como se tívessemos dito uma barbaridade. Esboçamos um sorriso, e colocamos a nossa melhor capa, a 60.

   Os outros, despreocupados, desinteressados com a dor alheia, não têm de saber mais. Não temos de alimentar a sua curiosidade.

   Não devemos lhes dar armas para poder atacar. E calamos-nos. Fechamos-nos para o Mundo, pois ele também não é bom para nós. 

Acredito que um leitor não pretenda ler tristezas, amarguras, estados depressivos de uma alma conturbada. Imagino que lhe interesse mais saber sobre as últimas nóticias da actualidade, quer nacional e até mesmo internacional. Novidades da Moda. Da Culinária. Novos exercícios físicos para emagrecer, ou manter a linha. Eu entendo. 

 Entendo que as pessoas busquem diariamente sensações boas, alegrias momentâneas. Entendo que procurem estados de espírito leves, sem preocupações. Pois o existir muitas das vezes, com tanto mal ao nosso redor, já é por demais pesado. 

   Claro que tenho consciência que os nossos problemas, os nossos medos, as nossas frustrações nada são, comparadas à vida de tantas pessoas com problemas bem mais graves. Umas com deficiências fisícas, outras mentais. Umas a viverem na rua, tendo de pedir para comer. Outras obrigadas a venderem-se para conseguir pagar as despesas que se acumulam. Mas lutam incessantemente pora pertecerem ao mundo. São diferentes, mas altamente fortes, possuindo uma enorme vontade de viver. E nunca lhes falta a esperança. Jamais lhes falta força. 

  Ao ver todo esse cenário, cedemos, e por momentos esquecemos-nos de nós, do nosso enorme egocêntrismo, que se apodera do nosso ser, da nossa CONSCIÊNCIA.  Claro que existe sempre a tão célebre frase " Com o mal dos outros, posso eu bem". Claro que sim.

  E podemos apoiarmos-nos nesta, para continuarmos a ser aquela pessoa mesquinha, centrada em sim, e no seu mau estar.

  Que não pensa que poderia de alguma forma, contribuir para o bem estar de outros.

   Que poderia fazer algo para se sentir melhor.

   Que poderia se queixar menos.

   Que poderia ser mais positiva, face aos obstáculos da vida.  

   Ainda outro dia dei comigo a dizer a uma amiga:

    - Gostava tanto de poder "Não Sentir". Nada me afectaria. 

    Ao que ela de imediato respondeu:

    - Minha querida, isso é impensável! A essência do ser humano provém das emoções, dos sentimentos, é o que verdadeiramente nos distingue dos demais seres. 

    Sim. És capaz de ter razão, mas mesmo assim, desejava não sentir. Apenas sorrir. 

Maré

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

     Sinto que, estando bem ou mal, faz-me bem aqui estar, e escrever para mim e para vós.  É como se buscasse o tal entendimento, a tal identificação. Imagino-me numa sala, rodeada de estranhos, onde me levanto e apresento-me:

  - Olá, eu sou a Grace, e sou "Neuroticaólica"

   - Olá Grace..............Bem vinda Grace...............

Maré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

         Estou tão cansada de ser forte, não estando. De falar, não desejando. De fingir que está tudo bem. Porque não está. Porque sinto uma mágoa tão imensa dentro de mim, que quer sair e não consegue. Quer explodir, mas insiste em conter-se. Remorsos que amargamente se colaram nas minhas entranhas, e me acompanham para todo o lado. E sei que terei de viver com eles. E não há solução. 

    Sinto-me tão só.

   Tão incompreendida.

   Tão amarga.

    Tão triste....

Maré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Um não saber o que fazer, e como agir, perante as contrariedades da vida.

            Matar ou não, um sentimento que dura há tantos anos. 

             Que teve frutos. Que foi feliz.

            Que ainda existe.

            É agora que posso dizer, com toda a certeza, tal como um dos meus filósofos favoritos "Só sei, que nada Sei".

  Só queria conseguir ver alguma mão estendida, para me agarrar,  de forma a não cair mais. Mas o vazio que se instalou nos meus olhos, impendem-me de avistar qualquer presença. 

  Meu Deus! Ou me amparas, ou me libertas. E que seja feita a Tua vontade... Mas não estou a conseguir ficar de pé, muito mais tempo. 

Maré

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

        Nem sei como consigo, que alguma coisa saia dentro de mim... 

       Eu só queria ser Feliz... Novamente!

         E não viver num Inverno contínuo, na minha mente...

 

 

Maré

 

 

      

Dom | 08.07.18

Trás os Montes. Província junto ao Céu..

Maria Grace

 

Tras os Montes

 

   Sempre senti que a minha alma pertencia às terras do Norte... Mais propriamente às terras de Trás os Montes. 

Perto do verde.

Perto das montanhas e rios.

Perto do que eu considero ser o Céu. 

  Infelizmente nunca lá fui. Irónico, não? E imagino que se questionem "Então, se nunca lá foi, como pode gostar tanto?" Mas a realidade é que, aquelas terras fascinam-me, e tudo o que envolve esta maravilhosa província. 

  Nunca lá fui, e nem sei bem porquê! Não foi por falta de tempo, dinheiro, ou falta de vontade. Mas de todas as vezes que me predispus a fugir da cidade, o meu corpo ia sempre parar ao Sul. A terras algarvias. 

Tras os Montes

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

    Durante quarenta anos fui aprendendo antes, a amar o Sul, a água quente do mar algarvio, as praias repletas de turistas, as calçadas das ruelas estreitas por onde passava, as pessoas, o sotaque... E mais uma vez o sossego da vila, onde todos se conheciam, e cumprimentavam. Onde não existia a indiferença, a falta de humildade, a falta de companheirismo. 

  Comparativamente com a cidade... 

 

Tras os Montes

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

      Mas sinto cada vez mais que algo lá em cima me chama, e tenho uma vontade enorme de ir.  Onde? Bem, São todas lindíssimas, apelativas, e principalmente sossegadas, que no fundo acho que é o que procuro: Paz na alma e sossego no coração. 

  Não vos vou dizer que seria para viver, pois isso significaria grandes mudanças na minha vida, e a minha maneira de ser nunca se deu bem, com alterações repentinas.

   Mas passar quem sabe, uns bons meses, isso sem dúvida, aceitaria, sem olhar para trás. 

 

Tras os Montes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O meu sonho:

                 "Dia 20 de Julho de 2018. 6.00 Horas da tarde. Chegamos a Vila Real de Trás os Montes, apenas com uma mala, cada um, contendo apenas o necessário para o dia-a-dia. Roupas práticas, soltas e frescas. Prontos para uma aventura numa cidade histórica, envolta pelos seus montes misteriosos, pelas suas casas antigas, feitas de granito e telhados de colmo, cujo cheirinho bom que vem de dentro, convida qualquer pessoa a entrar. Ementa: pãozinho quente, acabado de sair do forno de lenha, acompanhado de um maravilhoso queijo de cabra, que derrete lentamente na nossa boca. Humm...Parece que o estou a saborear...

    É mesmo aqui que pretendo me instalar. Dirigimos-nos a uma residencial. Não procuramos luxos, mas comodidade, e de preferência que não tenha muito movimento. O cansaço começa a instalar-se. O dia seguinte vai ser completo, em todos os aspetos, por isso agora damos prioridade a uma noite bem passada. 

   Escolhemos para passar uns dias, a Residencial Montanhês, a quinze minutos a pé de Vila Real.  Perfeito! 

 

Tras os Montes

 

     Eram 08.00 horas quando acordámos. Já refeitos da longa viajem, resolvemos ir à descoberta. Estávamos conscientes da longa caminhada, que íamos fazer. Mas ia ser certamente compensador. Eis o itinerário destas mini-férias, no meu sonho:

 

   1 - Barragem do Sordo, uma pequena barragem, com apenas trinta metros de altura, que começou a funcionar em 1997.

 

Barragem do Sordo

 

      

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

               2. Parque Natural de Alvão 

 

Tras os Montes

 

 Iniciamos a nossa caminhada à saída de Agarez no sentido de Galegos da Serra, com uma  subida bem acentuada. Atravessamos o antigo caminho, que leva os habitantes da aldeia e os animais. 

 

Tras os Montes

 

   

 

    No caminho, onde o verde e os declives rochosos se faziam sobressair, por todos os lados, passámos por sítios onde podemos contemplar a natureza, na sua mais pura graciosidade. A Ribeira de Arnal. Verde. A Cascata de Galegos da Serra. Verde. Pequenos riachos, lagoas.

E mais verde.

 

Tras os Montes

 

 

Tras os Montes

 

        Em Arnal, encontrámos uma Casa Florestal, que vim a saber ter sido transformada em Centro Ecológico.

   

Tras os Montes

 

 

      No caminho, até tivemos a oportunidade de ver um rebanho de cabras montanhesas, que costumam circular por esta zona. 

 

Tras os Montes

 

     E do alto, podíamos ver a magnifica Vila Real.

    Regressámos pelo mesmo trajecto. Foi sem dúvida, um dia completo.

Tras os Montes

  

 

   3 - Praia Fluvial do Rabaçal

 

          Claro que no dia seguinte, o nosso corpo gritava por DESCANSO...

          Aproveitando o calor que já se fazia sentir, logo pela manhã, resolvemos passar o dia numa praia fluvial, situada na freguesia de Possacos, a 76 quilómetros de Vila Real. E foi bastante gratificante. Não só serviu para conhecer uma das melhores praias fluviais de Trás os Montes, como para relaxar os músculos doridos da longa caminhada, do dia anterior. 

Tras os Montes

 

    Almoçámos num restaurante ali perto, e retomámos os nossos banhos naquela água fresca. Com o calor que estava, soubem maravilhosamente bem. Só regressámos à residencial, já eram 19.30 horas. Tomámos um bom banho, e jantámos. Foi sem dúvida, o melhor dia.

 

     4. Ponte de Pedrinha em Boticas 

       

         E não fosse eu apaixonada por monumentos históricos ( de preferência da Idade Média), no quarto dia, fomos até Boticas, a mais ou menos 72 quilómetros de Vila Real. Foi quase uma hora de carro, não chegou. Fomos logo pela manhã, pois já tínhamos decidido que à tarde iríamos visitar o Santuário de Panóias, em Vila Real. 

  A Ponte de Pedrinha, da idade medieval, agora é apenas uma ponte pedonal. Segundo consta, foi construida pelos Mouros, durante a noite,  pois tinham receio de serem atacados durante o dia.  

Tras os Montes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

     Os trabalhadores tiveram de fugir antes de terminarem a ponte, faltando apenas colocar uma pedra, daí o nome de Ponte da Pedrinha. 

 

Tras os Montes

 

  Ainda em Boticas, visitámos a famosa Fonte dos Amores, conhecida por este nome, devido à lenda da zona,  que diz existir aí um pote com moedas de ouro, de uma marroquina que chorou a perda do seu amor, neste lugar.

 

Tras os Montes

 

Tras os Montes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estas histórias, por detrás das pedras, do chão, de tudo envolvente ao sítio, é que me fascinam. Adoro! 

 

  5. Santuário de Panóias, em Vila Real

  

   Nessa mesma tarde fomos ao Santuário de Panóias emVale de Nogueiras, que fica apenas a 10 quilómetros da cidade. A sua construção remonta a finais do século II/ início do século III d. C, por isso fiquei ansiosa de ir.

 

   Aí encontrámos três grandes fragas nas quais foram talhadas várias cavidades, de diversos tamanhos, bem como escadas de acesso. Numa das rochas foram também gravadas inscrições.

A rocha n.º 1, situada na entrada do recinto, possui a seguinte inscrição:

 

Tras os Montes

 

   A sua tradução é a seguinte: 

 

 

“Aos Deuses e Deusas deste recinto sagrado.

As vítimas sacrificam-se, matam-se neste lugar.

As vísceras queimam-se nas cavidades quadradas em frente. O sangue verte-se aqui ao lado para as pequenas cavidades. Estabeleceu Gaius C. Calpurnius Rufinus, membro da ordem senatorial.”

 

 No entanto, a partir de 2001  este local foi vedado, e foram construídas algumas infraestruturas com o objectivo de valorizar este monumento. Possui hoje um Centro Interpretativo, visitas audioguiadas (português, francês, inglês e alemão), posto de vendas e é possível visualizar um pequeno filme sobre o Monumento."

 

  Com muita pena minha, acordei do meu sonho, embora saiba que nesta província tão bonita, existem outros locais a visitar, igualmente maravilhosos e com um significado histórico marcante. Paisagens para contemplar, monumentos para explorar.

   Mas talvez com sorte volte a sonhar...E desta vez acordada.

 

Tras os Montes